Pesquisar
Close this search box.

ROMÃ

Conhecida pela crendice popular, a Romã vêm recebendo a atenção de pesquisadores e cientistas, que já constataram vários de seus benefícios à saúde, como seu poder antioxidante, anti-inflamatório, vermicida e bactericida, além dos compostos que lhe conferem essas virtudes, a fruta conta com vários nutrientes e poucas calorias. Em estudos pré-clínicos, seu suco e extrato estão sendo estudados na prevenção de alguns tipos de câncer específicos, e na prevenção de doenças cardíacas.

Então como aproveitar melhor a Romã? Consuma crua, em saladas, sucos, chás, molhos, ou tortas, você pode também colocar as sementes num pote fechado na geladeira, por até 5 dias ou congelar por até 6 meses, e ir consumindo em colheradas (2 colheres de sopa) durante a semana. Uma quantidade de suco eficaz por dia são 100 ml de suco.
E não desperdice a casca, com ela você pode preparar chás que também são benéficos à saúde como, por exemplo, em afecções da garganta, problemas estomacais e intestinais. Para dores de garganta prepare o chá e faça gargarejos. O chá também pode ser preparado para tomar no dia a dia:

Chá de Romã:
Ferva metade da casca de uma romã em 2 xícaras de água por cerca de 10 min, coe e tome ou faça gargarejos. Se quiser preparar com a casca da romã inteira é só dobrar a água e tomar aos poucos durante o dia, o importante é manter tampado e consumir no mesmo dia, para não perder muito de suas propriedades.
Essas informações não dispensam o acompanhamento de médicos ou nutricionitas.

Francieli Cristina Barbosa
CRN10 – 2862

Fontes:
DEGÁSPARI C. H.; CHAVES A. P. Propriedades fitoterápicas da romã (Punica granatum). Visão Acadêmica, Curitiba, v.12, n.1, Jan.-Jun./2011 – ISSN 1518-5192.
JARDINI A. F.; MANCINI FILHO J. Avaliação da atividade antioxidante em diferentes extratos da polpa e sementes da romã. Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo. Vol. 43, n. 1, jan./mar.,2007.

 

Compartilhe:

Posts Relacionados

Facebook
YouTube
LinkedIn
Instagram