02 / set

Os benefícios da Vitamina D e o equilíbrio funcional do organismo

Inaugurações

A prevalência de deficiência de vitamina D na população mundial aumenta à medida que as pessoas têm seus estilos de vida modificados pelas exigências do cotidiano moderno. Esse cenário é comprovado por estudos multinacionais, avaliando crianças, adultos e idosos, em que prevalências de hipovitaminose D (25-hidroxivitamina D <30 ng/ml ou 75 nmol/L) variam entre 35 e 100% dependendo da população e estação do ano.

A vitamina D no organismo é mensurada através de níveis séricos de 25 – hidroxicolecalciferol (25(OH)D), onde valores >30 ng/ml (~75 nmol/L) são considerados suficientes, de 30 a 20 ng/ml insuficientes e <20 ng/ml (~50 nmol/L) deficientes.

Tal vitamina é adquirida, nos seres humanos, através da produção de 7- dehidrocolesterol, pró-vitamina D3, na pele, pela absorção de radiação UVB, e por ingestão alimentar (leite, gema de ovo, óleo de fígado de bacalhau e peixes gordos, como salmão e sardinha). Nesse contexto, a pele provê de 80 a 100% das necessidades de vitamina D, a qual é estocada na gordura corporal em períodos de maior exposição solar, porém, alguns fatores podem impedir sua absorção:

  • Uso de protetor solar com fator de proteção 30 reduz a síntese de Vitamina D na pele, acima de 95%.
  • Pessoas com pele mais escura têm uma proteção natural ao sol, pois a melanina absorve a radiação UVB e necessitam de um tempo de exposição solar 3 a 5 vezes maior para sintetizar a mesma quantidade de vitamina D que as de pele clara.
  • O envelhecimento da pele e a idade diminuem a capacidade cutânea da produção da vitamina D, por menor disponibilidade de 7‐
  • Os danos na pele como queimadura diminuem a produção de vitamina D.
  • A contaminação atmosférica e a nebulosidade podem atuar como filtro solar.
  • A estação do ano e, a hora do dia influi dramaticamente na produção cutânea de vitamina D.

A vitamina D é bastante conhecida pela sua função no desenvolvimento e na manutenção do tecido ósseo, bem como pela manutenção da homeostase normal do cálcio e do fósforo. Porém, evidências científicas sugerem o envolvimento dessa vitamina em diversos processos celulares vitais, como: diferenciação e proliferação celular, secreção hormonal (por exemplo: insulina), assim como no sistema imune e em diversas doenças crônicas não transmissíveis.

Estudos tem demonstrado uma relação entre a deficiência de vitamina D e a prevalência de algumas doenças autoimunes como diabetes melito insulino-dependente, esclerose múltipla, doença inflamatória intestinal, lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatoide. Sugere-se que a vitamina D não só previnam o desenvolvimento de doenças autoimunes como também poderiam ser utilizados no seu tratamento.

A vitamina D pode atuar como potente agente modificador do risco para o aparecimento de diabetes tipo 2. Estudos clínicos e epidemiológicos confirmam essa hipótese, pois demonstram que indivíduos com redução na concentração de vitamina D sérica apresentam maior risco para desenvolver diabetes tipo 2, assim, manter os níveis séricos de vitamina D satisfatório pode prevenir o aparecimento de diabetes tipo 2.

Tal vitamina também mostra-se satisfatória para indivíduos que apresentam hipertensão. Dados do Intersalt Study, importante trabalho sobre fatores de risco e controle de hipertensão com mais de 10.000 indivíduos de diversos países, mostram pressão arterial sistólica e diastólica positivamente associada a exposição solar e, supostamente, a menor concentração vitamina D estariam relacionadas ao aumento da pressão arterial. Em estudo realizado por Krause e cols. com pacientes hipertensos submetidos à radiação ultravioleta três vezes por semana, durante três meses, foi demonstrado aumento de 180% nos níveis séricos de vitamina D e redução de 6 mmHg na pressão arterial sistólica e diastólica.

Ao se ter em conta o valor imprescindível ao equilíbrio funcional do organismo humano e à manutenção da saúde, a deficiência de vitamina D, certamente resultarão em distúrbios orgânicos, podendo evoluir para importantes patologias, assim, exposições regulares à radiação solar e até mesmo às suplementações alimentares, em casos de comprometimento da absorção ou transformação em sua forma ativa, fazem-se necessárias.

Essas informações não dispensam acompanhamento do médico ou nutricionista.
Michele Gonçalves
Nutricionista CRN10: 3378

Fonte:

BARRAL, D., et al. Vitamin D: A Molecular Approach. Brazilian Research in Pediatric Dentistry and Integrated Clinic, v. 7, n. 3, p. 309-315, 2008.

CHIU, K.C., et al. Hypovitaminosis D is associated with insulin resistance and beta cell dysfunction. Am J Clin Nutr. 79(5):820-5, 2004.

FERRARINI, P., MACEDO, R. C. O. Vitamina D no esporte e saúde. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 9. n. 50. p.150-163. Mar./Abril. 2015.

HYPPÖNEN, E., et al. Intake of vitamin D and risk of type 1 diabetes: a birth-cohort study. Lancet. 358(9292):1500-3, 2001.

KRAUSE, R., et al. Ultraviolet B and blood pressure. Lancet. 352(9129):709-10, 1998.

MARQUES, C. D. L., et al. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev Bras Reumatol, v. 50, n. 1, p. 67-80, 2010.

SCHUCH, N. J.; GARCIA, V. C.; MARTINI, L. A. Vitamina D e doenças endocrinometabólicas. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. vol.53, n.5, pp. 625-633, 2009.

URRUTIA-PEREIRA, M.; SOLÉ, D. Deficiência de vitamina D na gravidez e o seu impacto sobre o feto, o recém-nascido e na infância. Rev Paul Pediatr. 33(1):104-113, 2015.

NOVIDADES E LANÇAMENTOS

Fique por dentro de todas as novidades exclusivas.

    SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS: